Publicado em / por Paulo Junior / em Notícias

Crianças e plantas: quais os cuidados dentro de casa

Fonte: Zap em Casa

A presença de crianças não impede de ter plantas em casa. Cultivá-las pode ser um benefício pela beleza na decoração, mas também pelos aspectos positivos para o desenvolvimento dos pequenos. Bem-estar pelo contato com a natureza, disciplina e apoio no desenvolvimento são alguns dos aspectos que as plantas podem trazer. Porém é preciso ter cuidado em quais espécies ter para não colocar os pequenos em risco. Saiba como ter plantas com crianças em casa.

São muitos benefícios para crianças de ter plantas. “Além da remoção das toxinas em ambientes fechados, tem aumento do nível de felicidade e desenvolvimento dos sentidos no contato com cores, texturas, cheiros e sabores. As crianças também entendem como acontece o ciclo da vida e são estimuladas a cuidar do outro, ter responsabilidade, aceitar diferenças. Também desenvolvem a coordenação motora ao manipular objetos no cuidar, trabalham a concentração, desenvolvem a paciência, o saber esperar o tempo da planta e a lidar com as diferenças porque cada espécie tem seu ritmo e características. Ajuda na alimentação, por entender o processo da concepção ao consumo, e o respeito à natureza”, enumera Denize Arruda, pedagoga e coordenadora da Educação Infantil da unidade Jaqueira do Colégio Boa Viagem.

Espécies de plantas para se ter com crianças em casa

Apesar da lista de benefícios, é preciso cuidado para conciliar crianças e plantas em casa. “Deve-se escolher espécies com menos ou nenhuma toxicidade. Com crianças muito pequenas, tem que ter cuidado com plantas que têm cristais de oxalato de cálcio porque podem provocar salivação e até sufocamento. Algumas plantas, como a comigo ninguém pode, são tóxicas até no toque e devem ser evitadas se tem crianças em fase de curiosidade, que tocam em tudo ou colocam qualquer objeto na boca”, explica Anderson Barbosa, decorador e proprietário da loja A Lojinha Estúdio. Comigo ninguém pode, lírios da paz, taiobas, jiboias e rosas do deserto são exemplos de plantas tóxicas.

Além de indicar colocar as plantas em lugares que a criança não tenha acesso, ele sugere plantas comestíveis. “Ter uma horta é uma excelente dica para a criança ter disciplina e ver como funciona plantio, rega, frutificação e espera para consumo. Para decorativas, a begônia tem flores consumíveis. Cipó uva pode substituir a jiboia e é linda e segura”.

As plantas, inclusive, podem decorar o quarto da criança. “Cuidado se o ambiente for climatizado. Neste caso, a peperômia, que pode ser pendurada, funciona porque fica linda e resiste ao ar-condicionado”, exemplifica.